INTOLERÂNCIA À LACTOSE E ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE

O Puro Leite08/07/2019

Muitas pessoas, inclusive profissionais da saúde e do meio científico, confundem a intolerância à lactose (açúcar = carboidratos) com a alergia à proteína. Isso ocorre porque ambas são causadas pelo mesmo alimento: o leite.

Vamos explicá-las melhor!

INTOLERÂNCIA À LACTOSE
Ela ocorre quando o organismo não está preparado para digerir a lactose pela ausência total ou parcial da enzima específica para esse fim, a lactase, que é produzida a nível de intestino. Dessa forma, quando a lactose não digerida  atinge o intestino grosso, ocorre um excesso de produção de ácidos graxos, ácido lático e gases. Assim, acontecem sintomas clínicos como: flatulência, dor e distensão abdominal.

Isso tudo faz as pessoas sofrerem de dores de cabeça e tonturas, dores musculares, cansaço, arritmia cardíaca, úlceras orais, dor de garganta e o aumento da frequência da micção, causando também diarréia. Esses sintomas são mais comuns em adultos.

ALERGIA AO LEITE

Essa é a alergia alimentar mais comum na infância. Entre 2% a 7,5% das crianças até 3 anos possuem alergia ao leite de vaca. Em geral, até os 2 anos de vida, 50% dos casos se resolvem e 80% deles permanecem até os 4 anos. A persistência na idade adulta é incomum, mas pode ocorrer.

Nas crianças alguns sintomas, podem ocorrer, como:
– Erupções cutâneas: 70%
– Sintomas gastrointestinais: 60%
– Sintomas respiratórios: 30%

O diagnóstico deve ser feito através de testes laboratoriais e consultas medicas. Portanto, consultar um médico é importante.

A Beta-caseína A1 é responsável pela alergia, que corresponde a 30% da proteína total do leite da vaca. As vacas que possuem Beta-caseína A2A2 no seu leite não causam essa alergia nas crianças e em alguns adultos.

Veja, o que está acontecendo…

Há mais de 10.000 anos as vacas sofreram uma mutação genética. Antes todas produziam leite A2A2, mas após a mutação, algumas passaram a ter um leite com A1A1 e A1A2. Essa pequena mudança pode parecer inofensiva, mas é suficiente para alterar a digestão da molécula e levar a outras consequências no nosso organismo.

E o que está sendo feito em muitas fazendas ao redor do mundo?

Os fazendeiros estão utilizando touros que transmitem somente Beta-caseína A2A2 em suas vacas. Consequentemente, com essa decisão, aos poucos as vacas que produzem Leite A1A1 e A1A2 vão desaparecer e o rebanho será todo de vacas que produzem leite 2A2.

Segundo o Diretor da FIORE e médico veterinário Marcos Corteletti, a Estância Paraíso em Santa Teresa, umas das fazendas do grupo Fiore, já saiu na frente e vem fazendo esse trabalho em suas vacas há muito tempo.

Marcos Corteletti , Diretor da Fiore.

“Estaremos lançando no mercado, nos próximos meses, um leite produzido por vacas A2A2 que vai possibilitar e ajudar muitas crianças e adultos para que possam novamente voltar a consumir leite e seus derivados sem medo. Esse leite terá uma melhor digestibilidade pelas pessoas”, conclui Marcos.

Posts relacionados

http://opuroleite.com.br/conheca-nadia-uma-colaboradora-que-faz-historia-na-familia-fiore/

Conheça Nádia, uma colaboradora que faz história na família Fiore

http://opuroleite.com.br/linha-do-tempo-fiore-35-anos-em-um-post/

Linha do tempo Fiore: 35 anos em um post!

http://opuroleite.com.br/mousse-de-chocolate-facil/

Mousse de Chocolate fácil

O Puro Leite

O Puro Leite

A Fiore é um dos pioneiros na produção de leite tipo A no Brasil, e está localizada em Santa Teresa-ES.

1 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  • Parabéns ao grupo Fiore por mais essa iniciativa, alem da qualidade dos produtos, o grupo prioriza a saude e bem estar de seus consumidores!!??